quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Enfim..Um Feliz 2010 !


Muita Paz e Felicidade aos leitores do Blog "Cigarettes, Alcohol and football" . E que o PT seja exterminado  nas eleições de 2010, para o bem do Brasil.

Aproveito a ocasião para mandar um Feliz 2010 para o povo hondurenho que chutou os traseiros sujos dos comunistas. Bolivarianismo não é Bem-Vindo na democrática Honduras.

Uma boa sorte para os americanos no ano de 2010 que, deverão ter muita paciência com mais um ano de discursos politicamente corretos e falsos de Barack Hussein.

Espero que José Serra tenha um excelente desempenho nas eleições de 2010 e, que o Brasil volte a ser governado pelo PSDB. É bom começar o ano de 2011 sem demagogia.




Espero também que, o meu Glorioso tenha uma equipe mais forte para 2010. Até agora a diretoria do Botafogo não anunciou nenhum nome de peso como prometido. Só dois novos reforços de segunda divisão estadual foram anunciados. É , pois é, muita sorte para o meu Glorioso em 2010.

Enfim, UM FELIZ 2010 PESSOAL !
 

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Ele quer cinemas para o seu filmeco

Por Klauber Cristofen Pires




Na edição do dia 26 de dezembro, o Jornal Nacional lança ao ar uma matéria assim intitulada: "Pesquisa revela que Brasil vive um apagão cultural" . A reportagem declara que uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - um órgão ligado à Presidência da República - descobriu que "de cada 100 municípios, 98 não têm sala pública de cinema, nem centros culturais, e 83 não possuem salas de espetáculos ou teatros que pertençam ao município".

Preste atenção, caro leitor: a tomada não expõe que literalmente faltem cinemas na maioria das cidades; o que declara é que a maioria delas não possui tais facilidades "PÚBLICAS"! A certa altura da reportagem, Márcio Porchmann, presidente da instituição que produziu a informação, declara: "A presença do estado é muito reduzida e precisaria avançar do ponto de vista do país se transformar em uma grande nação onde o conhecimento e a cultura se transformam no principal ativo na sociedade do conhecimento". 


Da forma como foi apresentada a notícia, não é possível afirmar em quantas cidades não existam iniciativas privadas ligadas à cultura (ou será mais adequado usar o termo "entretenimento"?), tais como cinemas, teatros e centros de exposições. Creio mesmo que não sejam poucas, embora certamente representem percentuais um pouco mais favoráveis do que o indicado. Considere-se adicionalmente que, depois da Constituição de 1988, houve um verdadeiro trem da alegria de criação de municípios, de tal forma que hoje há alguns cuja população não ultrapassa a quantidade de moradores em um condomínio. Colocadas todas as cartas na mesa, a relação entre as pessoas que têm um acesso relativamente próximo a um cinema ou teatro em relação às que sofrem a privação destes serviços é bem menos disparatada do que parece.

Oportunamente, esta lacuna apontada nos proporciona a chance de refletirmos um pouco sobre os serviços públicos. Os seus defensores frequentemente afirmam que uma das razões principais para a necessidade de haver tal cobertura por parte do poder público é a de que tais serviços não seriam oferecidos onde a iniciativa privada não vislumbrasse a chance de ter lucro. No caso acima temos a confirmação deste argumento, que não é falso. O que é falso é o que não é dito, isto é, que estes serviços necessariamente devam ser prestados! Em outras palavras, deve haver alguma razão pela qual os empresários ligados a esta área terem decidido fazer poucos investimentos fora dos grandes centros: público pequeno, ou de limitado poder aquisitivo, ou simplesmente desinteressado.


Claro, da mesma forma, devemos colocar nesta conta as dificuldades postas pelo próprio estado: impostos; cotas para exibição de filmes que ninguém quer assistir; entradas francas ou reduzidas para estudantes, idosos e assim por diante. Estas dificuldades hoje parecem ser tantas que podem explicar o fato de que mesmo nas localidades onde há cinemas e teatros estes se vêem frequentemente com dificuldades de lotar seus recintos.

 Opa, não nos esqueçamos também da pirataria: hoje as cópias dos lançamentos - títulos que são filmados de dentro das salas - são vendidas livremente nas esquinas, revelando uma flagrante negligência do estado que deveria lembrar-se disto antes de se meter a empresário do setor.

Ademais, em cidades do interior, há formas de entretenimento e eventos culturais que em geral os habitantes das cidades grandes não têm acesso: banhos de rio ou de mar, cachoeiras, pescarias, cavalgadas, feiras agrícolas ou torneios de peões, piqueniques em fazendas ou churrascos com animadas partidas de futebol são alguns exemplos. Que forma de ação da social-democracia - o sistema de socialismo fundado na igualdade de oportunidades, segundo Hoppe, poderia suprir este problema? Construir uma cachoeira artificial na praça da Sé, no centro de São Paulo? Isto já foi feito no Japão... pela iniciativa privada, claro.

Leia Mais Aqui


sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Uma Mensagem de Natal


Senhor Jesus! Diante do Natal,
que te lembra a glória na manjedoura,
nós te agradecemos:
a música da oração;
o regozijo da fé;
a mensagem de amor;
a alegria do lar;
O apelo a fraternidade;
o júbilo da esperança;
a bênção do trabalho;
a confiança no bem;
o tesouro da tua paz;
a palavra da Boa Nova;
e a confiança no futuro!...

Entretanto, oh! Divino Mestre,
de corações voltados para o teu coração,
nós te suplicamos algo mais! ...
Concede-nos, Senhor,
o dom inefável da humildade para que tenhamos
a precisa coragem de seguir-te os exemplos!

Livro: “Luz do Coração"
Francisco Cândido Xavier
Edição CLARIM

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Propaganda Marxista no SPORTV

Se alguém pretende ver o programa "SporTV Brasileirão, o mundo e a bola ", é melhor ignorá-lo, é propaganda Marxista do começo ao fim, com informações patéticas sobre os acontecimentos dos anos 70.

Bom, quando eles anunciaram que o programa iria abordar todas as ditaduras da América Latina, logo pensei que, eles iriam comentar as ditaduras militares e comunistas. Que nada! Eles ignoraram as ditaduras comunistas e criticaram somenta as ditaduras militares. Que lindo não? Eram mostradas imagens de Alende e Fidel Castro ao mesmo tempo em que o reporter narrava os anos de "chumbo" no continente americano, referindo-se às ditaduras de "direita". Exaltaram a "derrota" Americana no Vietnã e, para piorar, eles enalteceram  o discurso do aperário Lula nos anos 70.





Só para lembrar: A ditadura cubana matou mais do que todas as ditaduras militares juntas e,  continua matando sem o menor pudor. E , que eu saiba, até agora não houve nenhuma movimentação por parte do governo cubano para a transição democrática e eleições livres não é? Eu repudio todas as ditaduras militares, mas pelo menos, houve transição democrática em todos os países vítimas dos militares. 

Não percam seus preciosos tempos com essa porcaria, é melhor trocar de canal!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

PSDB mais unido do que nunca


Parabéns ao Aécio pela decisão corajosa que tomou hoje em desistir da candidatura à presidência. Evitou, então,um possível "racha" no PSDB.

Leia a Nota de José Serra após o Anúncio de desistência de Aécio Neves à presidência da República. O PSDB está mais unido do que nunca.

Eis a Nota de Serra:

“O governador Aécio Neves tem todas as condições para ser o candidato do nosso partido a presidente, por seu preparo, sua experiência política, sua visão de Brasil e seu desempenho como governador eleito e reeleito de Minas Gerais. É um homem que soma e que, ao mesmo tempo, sabe conduzir com firmeza as políticas públicas. Não é por menos que seu governo é tão bem avaliado e que a imensa maioria dos mineiros o considera credenciado para ocupar a função mais alta da República”.

“Não me surpreendem a grandeza e desprendimento que ele demonstra neste momento. Os termos em que ele se manifestou confirmam a afinidade de valores e as preocupações que inspiram nossa caminhada política. Faço minhas suas palavras:

“ ‘Defendemos um projeto nacional mais amplo, generoso e democrático o suficiente para abrigar diferentes correntes do pensamento nacional. E, assim, oferecer ao país uma proposta reformadora e transformadora da realidade que, inclusive, supere e ultrapasse o antagonismo entre o 'nós e eles', que tanto atraso tem legado ao País’.”
 
“Não somos semeadores da discórdia e do ressentimento. Nem estimuladores de disputas de brasileiros contra brasileiros, de classes contra classes, de moradores de uma região contra moradores de outra região. Trabalhamos, ambos, sempre, pela soma, não pela divisão. Somos brasileiros que apostam na construção e não no conflito”.
 
“Quero reafirmar o sentimento expresso pelo presidente do PSDB, senador Sergio Guerra, no sentido da união e da convergência que nos move, de valores e ideais”.
 
“Temos o sonho de um País melhor, unido e progressista, com oportunidades iguais para todos. E é nesse sentido que vamos continuar trabalhando. Juntos”.
 
José Serra
 
Blog do Fernando Rodrigues: http://uolpolitica.blog.uol.com.br/

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

UnoAmérica denuncia fraude eleitoral na Bolívia

Por Alejandro Peña Esclusa

Mídia Sem Máscara


Bogotá, 8 de dezembro - A União de Organizações Democráticas da América, UnoAmérica, denunciou hoje que na Bolívia ocorreu uma massiva fraude eleitoral, cujo propósito é legitimar nesse país um modelo totalitário, planejado em Cuba e financiado pela Venezuela.


Já em 6 de novembro, UnoAmérica havia assinalado as inconstâncias no padrão eleitoral e a feroz perseguição à oposição (UnoAmérica: as eleições bolivianas estão viciadas), o qual invalidava de antemão as eleições. Entretanto, antes e durante a jornada eleitoral do domingo passado, nossos temores foram reconfirmados, encontrando as seguintes irregularidades:

1. Uma intensa perseguição contra o principal candidato opositor, Manfred Reyes Villa, induzida desde o governo;

2. Impedimento de o principal candidato a Vice-Presidente, Leopoldo Fernández, que se encontra encarcerado desde há mais de um ano sem julgamento e sem condenação, de fazer campanha;

3. Violação sistemática do marco normativo eleitoral por parte da administração de Evo Morales;

4. Violência política exercida pelos grupos de choque do partido oficial;

5. Violações ao voto secreto sob a figura de "voto comunitário";

6. Financiamento pouco transparente da campanha oficial;

7. Crescimento suspeito do padrão eleitoral, que em várias localidades ultrapassou 300% de inscritos;

8. Participação na elaboração do novo padrão de uma empresa venezuelana acusada de colaborar na fraude de Hugo Chávez;

9. Denúncias de notários eleitorais sobre 175 máquinas de registro biométrico carregadas com 3.000 inscritos adicionais, cada uma por técnicos da Corte Nacional Eleitoral (CNE);

10. Pressões do governo à CNE, como ameaças de julgamento e de investigação por parte da Controladoria, com a finalidade de manipular esse organismo;

11. Habilitação irregular de ao redor de 100.000 inscritos observados, em razão das pressões do governo sobre a CNE;

12. A CNE não entregou o padrão com impressões digitais e fotografias aos partidos políticos;

13. Em várias mesas de votação constatou-se a existência de papeletas sem fotografias dos candidatos opositores;

14. Em vários pontos do país, o partido do governo transportou votantes em caminhões e outros veículos no dia do sufrágio, contrariando as disposições legais.

Estas irregularidades e delitos eleitorais põem em dúvida não só a validade dos resultados, senão os supostos 63 por cento de respaldo popular a Evo Morales, cifra que está sendo manipulada pelo oficialismo para justificar mudanças drásticas e permanentes no sistema político boliviano.

UnoAmérica faz um chamado às missões de observadores eleitorais ainda presentes na Bolívia, para cumprir seu trabalho com responsabilidade e a não se tornar cúmplices da fraude, recolhendo em seus respectivos informes as denúncias sobre as evidente irregularidades existentes nas eleições. Ademais, faz um chamado às lideranças democráticas da América Latina para rechaçar o modelo totalitário que Evo Morales pretende implantar na Bolívia, com o apoio de seus aliados do Foro de São Paulo.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Tavaszi Szél - Ensaio

Freddie Mercury e Brian May ensaiando a música "Tavaszi Szel" para dedicá-lo ao público hungaro. A canção foi tocada para milhares de hungaros presentes no histórico show de Budapeste em 1986. Foi apoteótico! Vale a pena ver.

Parte 1



Parte 2




Tavaszi szél vizet áraszt,


virágom, virágom.

Minden madár társat választ,

virágom, virágom.

Hát én immár kit válasszak,

virágom, virágom

Te engemet s én tégedet,

virágom, virágom.

Zöld pántlika, könnyű gúnya,

virágom, virágom.

Mert azt a szél könnyen fújja,

virágom, virágom.

De a fátyol nehéz ruha,

virágom, virágom.

Mert azt a bú hajtogatja

virágom, virágom.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Indignação seletiva dos Petralhas

Onde a bandidagem vermelha estava quando estourou o escândalo do mensalão do PT em 2005? É justo o protesto a favor do impeachment de José Arruda, agora, o que me deixa mais irritado é essa indignação seletiva da petralhada que, pede a saída imediata do atual governador do DF ao mesmo tempo em que faz festa para os mensaleiros do Partido dos Trabalhadores. Hoje, o Reinaldo Azevedo, foi muito feliz no seu texto sobre a indignação seletiva dos petistas.

E tem mais uma coisa! Eles têm a cara de pau de fazer manifestações contra a “mídia golpista” quando algum petralha vagabundo é pego em algum escândalo de corrupção. O que eles querem mesmo é que a mídia esconda todos os crimes desses bandidos bolchevistas. Mas, são tantos escândalos, que nem as tubulações “Tigre” dão conta de drenar o esgoto petista.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Curto e Grosso: transferências 2010

Elder Graja e Léo Gago no Vasco

O Zagueiro André Luis pode ser o novo jogador do São Paulo

E parece que o Silas já acertou com o Grêmio para ser o treinador ano que vem.

Dorival Júnior deve ser mesmo o novo treinador do Santos. E o Fossati, Treinador da LDU, está na mira do Internacional.


Roberto Carlos, Tcheco e o ex-são-paulino Danilo estão a um passo do Corinthians. Iarley já é jogador do Timão, e vai compor o ataque com Ronaldo e Jorge Henrique.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Los indomables catrachos!


Por Heitor De Paola

Nosso Continente encontra-se quase totalmente dominado pelos exércitos ideológicos do Foro de São Paulo. Moluscus Maximus, Hugus Xávicus, Evus Moralius e suas cortes espalham-se pela Iberoamérica como donos incontestáveis, inspirados em Marcus Aurelius Gárcius. Nada lhes resiste. Nada? Bem, lá pelos lados do Istmus existe uma aldeia onde um povo indômito, os catrachos [*], possui uma poção mágica que lhes torna invencíveis. Não é um líquido preparado num caldeirão, mas uma poção de idéias e princípios morais, éticos e jurídicos inventados ao longo dos séculos por poderosos Druidas do pensamento político: o rule of Law, o império das leis. É exatamente esta poção mágica que as hostes do Foro desejam tomar, modificar tornando-a inócua ou, se não for possível, destruir. A resistência dos catrachos se deve a homens que acreditam nesses checks and balances que torna a democracia possível. É um belo presente de aniversário a Astérix, que completou 50 anos em 22 de outubro.

Além de ser um dos países mais pobres das Américas, a história política de Honduras é conturbada. Dela saiu o epíteto 'república das bananas' em função da dominação da American Fruit Company. Na tentativa de encontrar uma política estável promulgou nada menos que 14 Constituições até chegar à atual, a qual, no dizer de Oscar Árias 'é a pior em toda a face da Terra'. É claro que é a pior para um demagogo como Árias e outros notáveis que não querem respeitar a poção mágica que salva Honduras da repetição de ditaduras e do caudilhismo de outrora. Aristóteles já prevenia: '(há uma espécie de democracia) na qual as massas são soberanas, e não a lei, isto ocorre quando os decretos da assembléia popular se sobrepõem às leis. Tal situação é provocada pelos demagogos em cidades governadas democraticamente (...), pois nelas o povo se torna numa espécie de monarca múltiplo, numa unidade composta de muitos, já que os muitos são soberanos não como indivíduos, mas coletivamente. (...) Um povo assim, transformado praticamente num monarca, procura exercer um governo monárquico, impedindo que a lei governe, e se torna despótico, dando ensejo a que os aduladores passem a ser estimados. Eles (devendo) sua ascendência ao fato do povo ser soberano são, por sua vez, soberanos sobre a opinião do povo, já que as massas acreditam neles'. (Política)

Por esta razão os Constituintes optaram por colocar como fórmula pétrea a não-reeleição presidencial e a considerar qualquer tentativa de mudar esta cláusula motivo de deposição do governante do poder. Zelaya pretendia exatamente 'exercer sua soberania (de demagogo adulador) sobre a opinião do povo', convocando uma constituinte para promulgar 'um decreto da assembléia popular que se sobreponha à lei'. Foi deposto legalmente e por isto os valentes catrachos despertaram a ira dos aduladores do Foro de São Paulo, do Obaminável, da União Européia e de todos os que, para atingirem seus desígnios totalitários, precisam uma democracia como a descrita acima por Aristóteles.

Durante cinco longos meses os catrachos resistiram inspirados na sua poção mágica e já obtiveram uma importante vitória: a eleição contou com ampla maioria de eleitores que compareceram às urnas, um novo Presidente foi eleito com votação incontestável assim como um novo Congresso e Prefeitos de todas as cidades do País. Todos juraram continuar bebendo da fonte da poção mágica.

O Congresso Nacional, também inspirado na mesma poção, provavelmente resolverá seguir a lei e reafirmar a decisão de 28 de junho (N. do E: como de fato o fez.). Oxalá o exemplo se espraie pelo Continente!


Nota:


[*] Orgulhoso apelido dos Hondurenhos, assim como cariocas, gaúchos, etc. O termo foi cunhado como elogio pelos nicaragüenses após a vitória do General hondurenho Florencio Xatruch sobre os piratas americanos comandados por William Walker que pretendiam restabelecer a escravidão. 'Los muchachos xatruches', virou catruches e finalmente catrachos.

Leia Aqui