sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Rio 2016


Nós somos brasileiros, com muito orgulho, com muito amor! A qualidade de ensino no Brasil nos orgulha, os portos e aeroportos estão bem estruturados, a segurança pública está uma maravilha, posso andar tranqüilo nas ruas do meu país com certeza de estar seguro, a saúde está à beira da perfeição, como bem afirmou o nosso querido presidente. Temos o Pré-Sal! A Copa do Mundo de 2014! E agora, o Rio de Janeiro vai sediar os jogos olímpicos de 2016. Hey Pessoal! Esse é o país dos meus sonhos.


A frase “nunca antes nesse país” será utilizada exaustivamente pela imprensa chapa-branca, sem se importar com as responsabilidades que virão, até porque tudo se tornou maravilhoso de uma hora para outra, e o povo brasileiro está sempre de mãos dadas com as ilusões. E não me venham dizer que eu estou sofrendo da síndrome do vira-lata, na verdade eu sofro da síndrome da realidade e da vergonha na cara. Vamos ver se o Rio de Janeiro será capaz de sediar os jogos olímpicos de 2016, e verificar o andamento das obras e o uso do dinheiro público, já que os nossos administradores estão pouco se lixando para os benefícios que supostamente as olimpíadas nos darão, a principal intenção deles é a famosa política romana do “pão e circo”, nesse caso, feijoada e samba.


Antes de começar a investir nos jogos Pan americano, as autoridades brasileiras diziam que o Rio de Janeiro seria agraciado pelo legado do Rio 2007, mas o que nós presenciamos foram mais elefantes brancos, obras superfaturadas, e o risco de atraso a poucos meses do início do evento, e no final das contas, de nada adiantou toda essa piada. Tudo isso, assim como no Pré-Sal, só vai impulsionar ainda mais o discurso nacionalista do PT de Lula, aquele ufanismo que só vemos nos estádios de futebol, e claro, no comício do PAC.


Bom. Por que se preocupar? Rio de Janeiro é sede dos jogos olímpicos! Vamos esquecer todos os nossos problemas e dançar um bom samba. Qualquer problema que houver, é só fazer um minuto de silêncio e voltar à normalidade.

Nenhum comentário: